sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Falando de cinema baiano...

Josias Pires



É indispensável nesta minha produção bissexta para o Mídia Baiana dizer que atendi a sugestão de Ernandes Santos e fui ler o texto de Setaro/Franciel sobre a polêmica no TCA durante o Seminário Internacional de Cinema. Eu estava lá, vi tudo e penso que Setaro – e todos os presentes – vivemos uma tarde memorável. Setaro (foto) tirou muito sarro. Rimos bastante.




Quanto à idéia de que os cineastas baianos relacionam-se com o Estado como esmolés é uma grande injustiça. Se o Estado pode financiar a instalação de indústrias, investindo vultuosos recursos em infra-estrutura – como para a implantação do Pólo Petroquímico – ou aliviando a carga fiscal, como no caso da Ford, é ridículo considerar que o Estado seja desobrigado do investimento cultural. Ah! Mas o Pólo e a Ford são lucrativas e movimentam a economia, enquanto que o cinema baiano ...

Afastemos da questão posições ingênuas: no Brasil nunca o estado, a sociedade e o mercado investiram as fichas necessárias para a criação de uma indústria de cinema. Ao contrário dos EUA, onde a Casa Branca e a Motion Pictures mantêm relações umbilicais, no Brasil esta idéia sempre foi torpedeada.

O Cinema Novo veio para criar outros valores também no modo de produção local e um dos seus legados, de alguma maneira, foi a Embrafilme, posteriormente inviabilizada. A televisão poderia ser uma grande aliada, porém a tevê no Brasil, ao contrário do que ocorreu na Europa e EUA, tratou à míngua – para dizer o mínimo – o cinema brasileiro.

Ora, se esta é a realidade brasileira, na Bahia a coisa tem que ser bem piorada, pelo menos esta tem sido regra há muitas décadas.

Ainda estava eu embevecido com o "Talento Demais", de Navarro, quando o professor cineasta Marcos Pierry me chamou a atenção para uma seqüência enfiada por Edgard Navarro em "Talento...", extraída de "Meteorango Kid – Herói Intergalático" – filme feito na Bahia em 1969, um clássico do cinema underground: Milton Gaúcho no papel de um produtor de cinema convida o Herói para ser ator de um filme e pede que ele atraia o seu pai – um milionário - para ajudar no financiamento. O produtor tem a fórmula para fazer filmes de "gosto popular" e ganhar dinheiro: bundas, pernas e peitos. E propõe ao herói um roteiro infalível ...

Li no site de Setaro alguns comentários tratando o cinema baiano como algo inexistente, desimportante, menor mesmo, o que considero inaceitável. Na Bahia, foram feitos filmes importantes depois de Glauber Rocha, seja pela geração Super 8, seja produzidos por realizadores de filmes em 16 mm. Olney São Paulo, Guido Araújo, Siri, Vito Diniz, Tuna ...

É evidente que a produção pós-glauberiana – em plena ditadura militar - representa uma filmografia de periferia da periferia da indústria cultural, que alcançou baixíssima visibilidade e permaneceu inteiramente fora do circuito. Quem conhece os filmes feitos por Edgard Navarro sabe que se ele atuasse no eixo Rio-São Paulo seria um renomado cineasta brasileiro há muitos anos. O fato é que foi um cinema marginal o que se produziu na Bahia nas décadas 70 e 80 do século XX. E insisto que aqui se produziram clássicos do cinema marginal. Mesmo quando obteve ajuda oficial foi marginal, pois ficou à margem do oficialismo e das veleidades mercantis.

Um filme como "Adeus, Rodelas" (1989), de Aguinaldo Siri Azevedo, realizado com recursos da Chesf é um libelo de grande poder poético que não poupa a própria Chesf, na medida em que fixa, critica e transcende a ação demolidora da cidade de Rodelas, o transtorno causado aos seus habitantes e os prejuízos para a sua cultura. Faltou à Bahia nos últimos trinta anos do século XX foi política cultural capaz de potencializar a capacidade criatividade dos seus artistas; de fazer circular e difundir as obras fundamentais produzidas no período.

O nosso problema é congênito. Produz-se a fórceps; distribui-se muito mal – quando se consegue distribuir. Quanto à difusão ... ah! Taí uma das utopias da maioria dos cineastas locais.

Parece inacreditável que em terra arrasada tenha se frutificado filmes.
Isto talvez só tenha sido possível porque a linguagem fílmica é a linguagem do sonho. O específico do cinema, realizando a sua síntese de todas as artes, é projetar na consciência dos espectadores atmosferas de sabor onírico. A famosa sensação de realidade que o cinema propõe aos seus amantes visa, no fundo, a propor novas/outras/múltiplas visadas sobre essas realidades. Uma outra espécie de sonho.

Cinema é montagem de fantasmagorias oriundas das sombras, iluminadas nos labirintos próprios dos sonhos, que brota dos desvãos das memórias e irrompem nas telas, como se vê novamente no curta metragem "Cães", de Adler Paz e Moacir Gramacho, que acabou de ganhar três prêmios no Festival de Brasília: melhor filme para a crítica; melhor fotografia e melhor ator na categoria. Alguém leu alguma crítica ao filme na imprensa baiana?

8 comentários:

Ernandes Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ernandes Santos disse...

Só aqui:

Festival de Brasília premia filmes baianos "Tudo Isto Me Parece um Sonho" e "Cães"

Franciel disse...

Bom. Apenas para não pairar dúvidas.

Setaro deve ter lá seus defeitos, mas não pode ser culpado pelos referidos texto que você citou.

Os ordinários rabiscos são de inteira (ir) responsabildiade deste rouco locutor que vos enche o saco. E não de uma pretensa dupla sertaneja SETARO/FRANCIEL, oquei?

Apenas mais um seguinte. No referido, não entro muito no mérito da afirmação de Setaro sobre esmolas, apenas achei deselegante a atitude de Navarro, que, noves fora tal presepada, continua sendo um bom cineasta.

DANIEL PEARL disse...

POR QUE DILMA?
Em 12 de maio de 2008, o presidente Lula disse: "Conquistamos algo que não se mede em números, mas é decisivo para retomarmos o caminho do desenvolvimento: o País voltou a acreditar em si mesmo”. Antes de 2002, as forças conservadoras diziam através da atriz Regina Duarte: “Eu tenho medo do Lula”. Eles tinha medo de perder o poder para um ex-operário, que anos seguintes faria se tornaria no melhor presidente do Brasil. Lula foi iluminado ao dizer: ““Sabemos que temos muito a fazer, mas sabemos também que estamos no rumo certo. Aprendemos que uma boa combinação de políticas econômicas e sociais forma a base da superação de nossa pobreza secular e de nossa desigualdade entre classes sociais e regiões. Temos a certeza de que podemos avançar mais na construção de um Brasil ainda mais justo, e também na construção de um mundo melhor.”

Não podemos retrocer, as conquistas do Governo Lula pertence a Sociedade Brasileira. Em 2007, mais de 1 (um) milhão de famílias adquiriu a casa própria, foram vendidos 2,5 milhões de carros, 100 milhões de celulares, 10 milhões de computadores e 32 milhões de pessoas passaram a ter acesso à internet. O brasileiro passou a ter casa, carro, celular e computador porque conseguiu a satisfação de necessidades básicas, como alimentação adequada, acesso à saúde e à educação. Mais de 9,7 milhões de brasileiros deixassem a pobreza absoluta. O Programa Bolsa Família investiu R$ 9,2 bilhões em 2007 e mudou a vida de 46 milhões de brasileiros. O Produto interno Bruto (PiB) cresceu 5,4% e que as famílias gastaram mais 6,5% em 2007. O mercado interno movimentou a cifra de R$ 1,56 trilhão.

As ações do Governo Lula beneficiam todas as camadas da sociedade: redução da desigualdade, aumento da renda, qualidade de vida, avanços na educação (236 mil jovens no ProJovem (fev/08), 385 mil alunos no Prouni (abr/08) e 229 mil vagas/ano no Reuni (abr/08), mais 10 novas universidades federais, 214 novas escolas técnicas. A Educação vai receber mais de R$ 15 bilhões até 2011 para combater o analfabetismo, promover a melhoria do sistema e universalizar o ensino público brasileiro. Avanços nos Programas sociais: 11,1 milhões de famílias no Bolsa Família (mai/08), 7,9 milhões de pessoas no Luz Para Todos (abr/08), R$ 8,4 bi contratados no Pronaf, R$ 403 mi no Programa de Aquisição de Alimentos, Conta Caixa Fácil da CEF e o Banco Popular do Brasil. Emprego: 11 milhões de ocupações criadas, 8,9 milhões formais (jan/03-abr/08).Aumento do Consumo das famílias brasileiras, Investimentos recordes. Balança comercial positiva.

Nos últimos dois anos, 23,5 milhões de brasileiros passaram a integrar a classe média. Índice mostra nova queda da desigualdade na distribuição de renda. O Brasil tornou-se um País menos desigual. O crescimento econômico, aliado às políticas sociais do governo Lula. Outro indicador positivo foi a redução da miséria. Cerca de 9,7 milhões de pessoas deixaram o estado de pobreza absoluta, entre 2003 e 2006.

Nunca um presidente fez tanto pelo seu povo. Nós que fazemos o BLOG DA DILMA, queremos convocar a Sociedade Brasileira a lutar para continuidade de todas essas conquistas e não deixar que o PSDB venha destruir o sonho de um Brasil, numa provável eleição de um candidato tucano em 2010. O Capitalismo Neoliberal está em crise, às privatizações não deram certo em lugar nenhum, as mentiras do sociólogo Fernando Henrique Cardoso ninguém aceita mais e nem a interferência da Mídia Conservadora e Burguesa na escolha do próximo presidente da República.

Por que Dilma? A Ministra Dilma Rousseff é competente, séria, idônea, mulher talentosa, experiente, organizada, pulso firme, sensível, mãe... A candidata do presidente Lula e do povo brasileiro. Dilma será a renovação da esperança de um Brasil de Todos. Dilma será a primeira mulher a se tornar presidente do Brasil, um orgulho para todas as mulheres e também para todo brasileiro.

Convido você a divulgar o BLOG DA DILMA (http://dilma13.blogspot.com/). Coloque nos seus favoritos, nos links dos blogues, faça cartazes, distribua adesivos, envie e-mail para seus familiares, parentes e amigos. Participe! Não fique parado. É hora de reagir contra as Forças do Atraso.

Atenciosamente,
Daniel (Pearl) Bezerra de Oliveira
Editor geral do BLOG DA DILMA - http://dilma13.blogspot.com/
e do blog jornalístico DESABAFO BRASIL: http://desabafopais.blogspot.com/

Ernandes Santos disse...

A respeito:

A não-retomada do cinema baiano

Anônimo disse...

Não entendi nada.

Mônica disse...

Oi, Daniel. Nosso blog não é partidário, mas seu recado está dado. Bom saber que você continua acessando o Mídia Baiana. Também estamos ligados no Desabafo. Um abraço,

Isabel Santos Borges disse...

Nosso presidente é "Maaaaaaaaaara" mesmo Mõnica. Aproveitando o espaço, com atraso quero parabenizar os colegas Cleidiana e Vado pelos prêmios. Haja competência. O velho Vado, tranquilo, sorriso largo e contagianteque, e que,como uma formiguinha vai realizando o seu trabalho competente. Cleidi, cada vez mais se aprofundando nas coisas da nossa raça, também com garra e transparência. Aproveito para também parabenizar os colegas criadores do nossamidia. Estava devendo entrar aqui para comentar, mas são coisas do corre-corre e de quem se bate com a evolução tecnológica. Cadastrada no gmail, esqeuci senha... e por aí vai. Mas estou antenada, acompanhando Bichara, Bonfa, Carmelita, "Cururu"...